quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Vamos falar sobre o Arrebatamento da novela da Record?

Todas as crianças sumiram durante o Arrebatamento.
Imagem da novela retirada do site Veja.com.br

"Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, 
assim será também a vinda do Filho do homem." Mt 24:27

Ontem, 6 de fevereiro de 2018, foi ao ar uma das cenas mais esperadas da novela "Apocalipse", da Record TV: o Arrebatamento. A ficção busca retratar os últimos dias em uma visão "pré-tribulacionista" (vertente que acredita que Jesus busca a Igreja secretamente primeiro, em seguida, acontece a Grande Tribulação e Ele volta novamente em grande glória, visível a todos). Eu, particularmente, creio nessa visão mas, de jeito nenhum, vou ousar a pensar como sendo a única proposta correta. Também não estou aqui para discutir se esta, ou aquela, que está certa. O que eu acredito, efetivamente, é que Jesus vai voltar (Ele prometeu e suas promessas nunca falham) e eu vivo a minha vida aguardando e vivendo para Ele. 

Voltando ao assunto da novela... A cena do Arrebatamento foi arrebatadora! Uma sequência enorme de cenas (cerca de 14 min), muito bem editadas e dirigidas e com efeitos especiais fantásticos! O que foram aqueles acidentes de helicóptero e de avião???!!
Mais uma vez, em uma cena esperada, a Record se superou. E o fato deles sempre nos prepararem para os grandes momentos, não perde o sabor... Podemos nos preparar para estar na frente da tela, esperando. Como foi com as pragas no Egito, a abertura do Mar Vermelho, as muralhas de Jericó e os homens da fornalha, mais uma vez, tinha data e hora para o público estar na frente na televisão. E a produção da novela cuidou de cada detalhe.

O Arrebatamento

Como alguém que passou a vida inteira ouvindo sobre o Arrebatamento e a a volta de Jesus, seja em palestras, pregações, músicas ou lendo a própria Bíblia, cada detalhe aconteceu ontem. Teve helicóptero, avião e carros desgovernados, porque os pilotos foram arrebatados. Teve gente aceitando Jesus de verdade, segundos antes do Arrebatamento. Teve gente "aceitando Jesus" e não sendo arrebatado. Tiveram aqueles que todo mundo já sabia que seriam arrebatados e teve sala de aula, berçário e parquinho vazios após o Arrebatamento, pois Jesus levou todas as crianças. E, claro, tiveram aqueles que foram "deixados pra trás", seja porque nem sabiam o que estava acontecendo, seja porque não criam que aquilo iria acontecer um dia. 

Depois da sequência de tirar o fôlego, surge na tela um Sérgio Marone imponente (diga-se de passagem, ele está perfeito nesse papel). Alto, bonito, com presença marcante, vaidade extrema, muita maldade e boa oratória, Ricardo Montana é um Anticristo perfeito. Lembrando que a novela é uma ficção baseada em vertentes teológicas que não são a verdade absoluta, não vamos discutir as origens do personagem também. Vamos nos ater à cena final do capítulo de ontem. O Anticristo olha diretamente para a câmera (achei ousado!) e diz: "Let´s begin! Agora sim, chegou a minha hora!" Li resenha de site que disse que podia ter passado sem essa cena. Gente!! Achei maravilhosa. Achei ousada! Achei tãããão "season finale, partiu pra outra temporada!" Até mesmo, porque a ideia é essa. Agora começa uma nova temporada. 

Ricardo Montana - o Anticristo - finalizou o capítulo do Arrebatamento
preparando o público para os próximos acontecimentos.

Imagem: notíciasdatv.uol.com.br

O que será de quem ficou? Será que vão entender que foi o Arrebatamento? Como irão reagir? E, principalmente, como será o governo do Anticristo na Terra? São as cenas dos próximos capítulos que vão dar um novo ritmo à novela. Agora começam mais cenas de ação, de violência, de suspense... efeitos especiais! Os cavaleiros do Apocalipse entram em ação e, com eles, todos os desastres. E aguardamos que a Record nos surpreenda novamente. 

Momentos, cenas, personagens marcantes

Alguns detalhes me marcaram nesse capítulo. Em primeiro lugar, o caso do Bruno, irmão da Talita... (acho que era esse o nome dele hahah). Ele já estava com coração quebrantado, pois passando perto da pregação, foi atraído e recebeu a salvação naquele momento. Não sabia nada sobre doutrinas e teologia. Ele simplesmente recebeu o Senhor Jesus de verdade e foi arrebatado naquele momento. Isso nos mostra que sempre é tempo. Oportunidades não nos faltam. É preciso correr para o Pai enquanto há tempo.

Zoey, a jornalista famosinha, é a outra personagem que me marcou nesse Arrebatamento. Algum tempo antes, em conversa com os pais, ela havia declarado que sentia saudades da igreja e sabia que estava em débito com o Senhor. Ela foi criada na igreja e era uma moça de fé e princípios. No entanto, a vida profissional e sentimental "engoliram" o tempo com Deus. Jesus já não fazia tanta diferença assim na vida dela. Consequentemente, enquanto o pai e a mãe subiram, ela permaneceu. Quem cresceu na igreja deve conhecer a frase: "Não vai subir pro céu na barra da saia da mãe".

Sobre a novela

Não acompanho "Apocalipse" como acompanhava "Os Dez Mandamentos I e II" e "Terra Prometida". Acho que até "O Rico e o Lázaro" eu vi mais do que a novela atual. No entanto, apesar dos problemas de bastidores (a autora - a sensacional Vivian de Oliveira - não tem muita liberdade de criar, pois os líderes da Igreja Universal interferem no trabalho), a construção dos personagens, como sempre nas obras de Vivian, foram muito bem feitas e culminaram no resultado do Arrebatamento. Contudo, os vários ambientes nos deixam um pouco confusos, assim como a história do serial-killer, especialmente para mim, que não acompanho diariamente a novela. Na minha opinião, a quantidade excessiva de personagens é um problema que às vezes, tende a atrapalhar as obras da autora. 

No entanto, a forma como Vivian de Oliveira consegue relacionar a Bíblia com a ficção, "explicando" para o telespectador como poderia acontecer determinada coisa, é muito interessante. Desde os "Os Dez Mandamentos" percebo essa sensibilidade em relacionar o texto bíblico ao texto da novela. Na minha opinião, nem os acréscimos atrapalham o contexto da Palavra de Deus. É só assistirmos a novela entendendo que aquilo é uma ficção BASEADA em texto bíblico. E "Apocalipse" é um enorme desafio. Cada um pensa de um jeito e ela teve que escolher um lado pra acreditar e investir nele. 


Enfim...

Como disse anteriormente, se vai acontecer ou não dessa forma, nós não sabemos. Só Deus sabe como serão os momentos finais. Mas de uma coisa sabemos: a Palavra de Deus está se cumprindo. O amor está esfriando. A violência está aumentando. Guerras e rumores de guerras estão aí... nação contra nação, filhos contra pais e pais contra filhos. Dói o coração ouvir as notícias.

Eu estou me preparando para a volta do Cordeiro, do meu amado Noivo, que irá me buscar para as Bodas Dele. E você? Está preparado(a)? A novela só deu um gostinho do que irá acontecer. Foi um alerta!






terça-feira, 30 de janeiro de 2018

De onde vem o amor

Catedral São Pedro de Alcântara / Petrópolis-RJ
Foto: Bárbara Rocha




"Quando tudo parece ruir,
Quando as esperanças parecem não existir,
Olhe para o alto,
É de lá que vem a luz do Sol da Justiça.
Vem a luz,
Vem o calor,
Restaura a fé
E o amor.

Amor próprio,
Amor pelo outro.
Amor pelo Salvador.

É preciso continuar.
Continuar a crer.
Continuar a ver.
Ver o que ainda não existe.

Não existe aqui.
No mundo real.
Porquê vem de Deus.
Do sobrenatural!"



Clarissa Ramos - 12/01/18

terça-feira, 31 de outubro de 2017

500 anos depois da Reforma. O que mudou e o que precisa mudar.


"Estes que têm transtornado o mundo, chegaram também aqui" Atos 17:06b

Porque eu amooooo pregar o Evangelho da graça, da justiça, da restauração, da santidade.
Em 31 de outubro de 1517, o monge Martinho Lutero, pregou, na porta da Igreja de Wittenberg, 95 teses que dividiriam o mundo. Talvez ele não imaginasse o que aconteceria, mas aquele ato teve um grande poder de transformação. A Palavra de Deus, sobre graça e justiça, foi tão forte no espírito de Lutero, que abalou o mundo inteiro. E, hoje, podemos comemorar 500 anos da Reforma Protestante.

O desejo de Lutero era saber como se alcançava o perdão de Deus. Naquele momento, a Igreja Católica vendia as indulgências, o "perdão de Deus". Ao ler a carta de Paulo aos Romanos, o monge foi confrontado, e viu que o que acontecia não era bíblico. Assim, escreveu seu texto chamando os homens ao arrependimento e denunciando as deturpações do Evangelho que estavam acontecendo naquele período. Em sua pregação, também enfatizava a salvação pela fé. A livre interpretação da Bíblia, até então proibida pela Igreja Católica, foi outro ponto importante nas transformações que Lutero provocou no mundo. O monge não desejava sair da Igreja, mas como não mudava suas opiniões, foi excomungado e expulso pelo Papa Leão X. 

Divulgação da Palavra de Deus

A máquina de Gutenberg, invenção recente na época, colaborou na divulgação do material luterano. Também possibilitou a impressão da primeira Bíblia, já que uma das grandes contribuições de Lutero foi a tradução da Bíblia do latim para o alemão. Isso deixou o cristianismo mais acessível e menos hierárquico, pois a Palavra de Deus agora estava disponível para mais pessoas. Assim, o protestantismo pode se proliferar na Europa. 

As grandes mudanças sociais

O protestantismo valorizava o trabalho e o acúmulo de riquezas. Isso libertou a burguesia das proibições eclesiásticas das práticas comerciais e bancárias. "A ética protestante e o espírito do capitalismo", do sociólogo alemão Max Weber, se tornou um clássico. 

A livre interpretação da Bíblia também pode ser compreendida como uma manifestação típica do individualismo do homem renascentista. 

A Reforma também atendeu a interesses políticos de príncipes de monarquias europeias que desejavam maior autonomia em relação à Igreja Católica. A Reforma Anglicana na Inglaterra, por exemplo, confiscou os bens da Igreja e do clero e o rei passou a ser o chefe da igreja.


Imagem do blog 
Cosmovisão Bíblica - discípulo historiado








De acordo com Lutero: "O melhor e mais rico progresso para uma cidade é quando possui muitos homens bem instruídos, muitos cidadãos ajuizados”. A educação também sofreu transformações com a Reforma Protestante. 

Fontes: Vestibular.uol e Portal Metodista

*******************

Dito isto, c
hegou o dia em que se completam 500 anos da Reforma Protestante. É para comemorar, mas também para refletir. Chegamos até aqui. Tanto a avançar, não somos dos que retrocedem na fé, mas precisamos voltar ao primeiro amor. Amor simples, da graça, da justiça, da fé, da esperança. Amor de Cristo. Amor Daquele que nos amou primeiro! 


A Igreja nos dias de hoje, diferente do que Paulo fala aos Romanos, tem se moldado ao mundo. Pensamentos moldados aos pensamentos do mundo. Não temos mais uma Igreja Católica tão forte e centralizadora como aquela, mas temos o espírito mundano que nos cerca todo tempo. 

Sinceramente, não sei se Lutero estaria tãããooo feliz com os resultados da Reforma hoje. Sim, temos uma liberdade que não existia. Liberdade de culto e de interpretação da Palavra de Deus. No entanto, muito precisa ser novamente reformado. Voltar ao primeiro amor e reformar a visão do Evangelho. Do Evangelho puro e simples de Jesus, do amor que Ele tem por nós e não pede nada em troca, a não ser nosso coração. Nossas vidas que devem ser entregues a Ele, não nossos bolsos. Ele não pede rituais, Ele pede um espírito quebrantado de um verdadeiro adorador. Ele não pede festas, congressos e grandes eventos, Ele pede a porta do quarto fechada e uma oração sincera. 

Lutero tinha o início de uma tecnologia para imprimir documentos que transmitissem aquela mensagem e mudou o curso da História. Nós temos televisão, rádio, computadores, internet e tudo mais que necessitarmos e não pregamos ou pouco o fazemos. Temos tanto a fazer ainda e tanto a mudar. Temos que nos preparar. Ele está voltando e somos nós que iremos preparar o caminho. Que possamos abrir uma nova fase na História da Igreja: a fase da Noiva imaculada que recebe o Noivo, Jesus Cristo. 


"Deus cria a partir do nada. Portanto, enquanto um homem não for nada, Deus nada poderá fazer com ele." 
Martinho Lutero

terça-feira, 5 de setembro de 2017

"Raising Hope" - comédia leve e deliciosa

"Raising Hope" foi transmitida pela Fox entre 2010 e 2014. Hoje está disponível na Netflix.

O que me faz trazer essa série para indicar para vocês é o fato de ser muito "leve". É deliciosa em vários sentidos. E tá na Netflix ;)

O seriado conta a história da família "Chance". Uma família com poucos recursos e nenhuma "noção". Jimmy é filho de Burt e Virgínia, um casal que engravidou na adolescência, cresceram juntos, mas não amadureceram. Moram de favor com a avó de Virgínia, mais conhecida por Maw Maw. Certa noite, Jimmy sai em sua van, para buscar um sorvete. No caminho, uma moça aparece correndo de um homem. Ela abre a porta, entra na van e Jimmy salva a jovem, levando-a embora. Ao parar o carro, passam a noite juntos. 

Pela manhã, na mesa de café, a moça levanta para ir ao banheiro. Naquele momento, a família descobre através do telejornal, que recebiam uma serial-killer e chamam a polícia. Meses depois, ela chama Jimmy na cadeia e revela que está grávida, condenada à cadeira elétrica e que ele deveria ficar com o bebê, quando chegasse a hora da condenação. E Hope chega na família, primeiramente com outro nome, que vou deixá-los saber qual é, assistindo a série. O problema todo começa pelo fato de que a família não estava preparada para receber um bebê, nem física, nem emocionalmente. E a evolução dessa "criação" é que norteia a história. 

Em cada episódio, algo acontece. Sempre somos surpreendidos. E na Netflix, é fácil maratonar o seriado. São quatro temporadas, cada uma com 22 episódios de 22 minutos, que passam rapidamente (acabei rapidinho). Os personagens interagem com outros, que complementam a história. Diversos temas são abordados e, mesmo com o tom de comédia, assuntos importantes, como racismo, Mal de Alzheimer, família e, principalmente, o amor, são colocados de forma delicada. 

Apesar das loucuras que acontecem durante a vida de Burt e Virginia, em especial na criação de Jimmy, a família se ama e não consegue se separar. Jimmy trabalha em um mercado, onde conhece Sabrina e os outros personagens e onde se passa boa parte dos acontecimentos. Cada ator dá seu brilho para a série. As atrizes (são gêmeas) que interpretam a Hope, são lindas, mas não vejo assim tanta graça. Percebemos os cortes que são feitos na edição para conseguir captar as reações da menina. No entanto, os outros atores são brilhantes. Tentei escolher um, mas não consegui. Cada um me conquistou de alguma forma.

É uma comédia sem a pornografia e palavrões exagerados que vemos por aí. É leve e inteligente. Para mim, lembra "The Middle" (que por não estar na Netflix eu acabei abandonando). Não posso contar muito. Assista e me conte o que achou. Se eu contar tudo aqui, perde a graça. E com certeza você irá rir e se divertir muito com "Raising Hope". 


terça-feira, 15 de agosto de 2017

Atypical: sensibilidade na nova série da Netflix

Fonte da imagem: Google
A Netflix lançou mais uma série original. O serviço de streaming anda lançando tantas que não dá nem tempo de ver todas, não é? Mas essa eu indico demais. É bem rapidinha. Como estou de férias, terminei em dois dias. Está na primeira temporada e espero que seja renovada, apesar da Netflix nos matar de tanto esperar... Possui apenas oito episódios de meia hora. Não falei que é rapidinho? Você nem vai sentir o tempo passar. 

A temática

Apesar do tema denso, a série mescla tons de drama e comédia na medida certa. Atypical” trata da vida do adolescente, quase adulto, Sam Gardner (Keir Gilchrist), dignosticado com Síndrome de Asperger, que está entre os Transtornos do Espectro do Autismo. Com 18 anos, chega na fase em que deseja namorar. O problema é que, para ele, se relacionar é bem mais complicado do que para outras pessoas.

A série aborda a temática de forma ampla e sensível: não focando somente na pessoa de Sam, mas levando o público a conhecer os membros da família, seus próprios sentimentos e como o diagnóstico do garoto afetou e continua afetando a relação entre eles. Não sei se seria um spoiler o que vou dizer a seguir (se não quiser arriscar, pare de ler por aqui...), mas não vi outras resenhas falando muito sobre a família de Sam. É claro que o diferencial desse seriado é a forma sensível como o autismo é tratado. No entanto, o que mais me marcou foi o modo como a autora Robia Rashid retratou o aspecto familiar em torno da doença. 

A família

Sam possui pai, mãe e irmã. Uma família tecnicamente normal e unida, mas, durante a série, são descortinados diversos fatores que revelam a dificuldade de cada um em lidar com o autismo dentro de casa. A mãe, Elsa, é a leoa. Que sempre fez tudo pelo filho e, como abriu mão de várias coisas para cuidar dele, diante da possível “independência” de Sam, agora vive um momento de conflitos internos. O pai, Doug, ama o menino, mas teve dificuldades em lidar com a doença do filho diante da sociedade. 

Da família, a personagem mais interessante na minha opinião é a irmã, Casey. A caçula passou a vida como coadjuvante, já que Sam é o centro das atenções. Inteligente e super atleta, nem suas conquistas pessoais a fazem ganhar um pouco da atenção dos pais. No entanto, ama demais o irmão e o protege em ambientes hostis, como no colégio, por exemplo.

Existem outros personagens ainda, que interagem de forma importante na série. Mas se eu contar sobre eles, aí sim seria spoiler. Você vai precisar assistir pra conhecer.

Atypical” aborda os temas adolescentes e os desafios diante de uma doença que sempre foi estigmatizada e pouco conhecida pela sociedade. Mostra sensibilidade ao tratar do assunto na visão do próprio portador de autismo e de sua família. 

Você verá o autismo por outra ótica após assistir essa série. Realmente, vale a pena. Assiste aí e depois me conte o que achou.