sexta-feira, 16 de junho de 2017

É sempre tempo de lembrar e agradecer



Foto: Google


"Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco" I Ts 5:18




Todo o tempo é tempo de agradecer. 

Às vezes, nos prendemos tanto às coisas que ainda não conquistamos, que esquecemos os presentes que Deus já nos deu. Às vezes a promessa ou o pedido foi há tanto tempo, que não recebemos com gratidão quando chega.

Nos últimos dias, relembrei de alguns pedidos ou, até mesmo, vontades que ficaram somente no pensamento, que tive anos atrás e hoje, aos poucos, vão se tornando realidade.

A primeira delas, foi quando escolhi o curso superior que iria fazer, Deus me disse que minha profissão seria usada para o Reino Dele. É claro que já uso os conhecimentos que adquiri na faculdade de Jornalismo há um bom tempo. Seja no site da igreja ou nas redes sociais, alguma coisa eu sempre dei uma "mãozinha". Mas ainda não era exatamente aquilo que meu coração desejava. Eu sempre fui apaixonada pela TV... Hoje, tenho a oportunidade de atuar com vídeos, levando ao ar os anúncios da igreja. Além disso, começamos a realizar entrevistas para compartilhar testemunhos que, talvez, de outra forma não seriam divulgados. Vejo nesses pequenos detalhes, a realização de dois sonhos antigos: o de usar minha profissão para o Reino de Deus e o de poder trabalhar com o que amo, a TV.

Na época de vestibulanda, passava pelo campus da Universidade Federal de Juiz de Fora, apontava para a Faculdade de Comunicação e dizia que ainda iria estudar ali. Pois bem... não cursei Jornalismo lá, mas, anos depois, passei em História (um curso que eu sempre disse que se tivesse a oportunidade, faria...pois amoooo História). E o prédio é na mesma direção que eu apontava, só que num morro atrás da Facom.

Ainda nesse processo de estudos, sempre tive vontade de fazer Teologia. Após formar na faculdade, Deus abriu as portas (com muita oração) e fui para Belo Horizonte cursar o Seminário Teológico Carisma, na Igreja Batista da Lagoinha. Alguns anos antes, pisei no púlpito daquela igreja, deslumbrada com o que via. Eu amava aquele lugar por causa do ministério de louvor Diante do Trono. Estar ali, naquele momento (eu devia ter uns 16 anos), era maravilhoso. Eu não sabia que, tempos depois, estaria naquele púlpito, como oradora da minha turma, com o próprio Pr Márcio Valadão me assistindo. 

Sonhos se realizam quando estão nas mãos certas: as mãos de Deus

Outra realização foi meu emprego. Amo minha profissão e sempre quis atuar nela. Meu último estágio foi exatamente no mesmo lugar que estou hoje. Lembro que na época eu queria ter continuado e não pude. Mais de oito anos depois, voltei ao mesmo lugar, na condição de profissional. Acho lindas essas voltas que a vida dá. Vejo a mão de Deus em tudo. Vejo a mão de Deus conduzindo tudo no tempo certo. 

Tenho muitos sonhos a serem realizados ainda. Creio que todos acontecerão no tempo certo, mas, enquanto eles não se realizam, eu busco trazer à memória o que pode me gerar esperança.

Que os sonhos nunca acabem. E que a esperança seja infinita em nossos corações.

"Ora, a fé é a certeza das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem." Hb 11:1


quarta-feira, 7 de junho de 2017

Shalom Yerushalayim - Paz em Jerusalém

Jerusalém, que em teus muros haja paz...

Fonte: Google

Israel me fascina e, certo dia, acordei com Israel na cabeça. Na verdade, logo pela manhã estava ouvindo músicas que remetem à Israel e que me tocaram profundamente.
Sem ser judaizante, eu amo Israel. Amo tudo o que se refere à Jerusalém. Amo tudo relacionado aos judeus e tenho imensa curiosidade acerca de temas que envolvem esse povo, Jerusalém e essa nação. 
Desde criança, tenho o sonho de conhecer Jerusalém. Tudo sobre aquele lugar e povo me fascina. 

Como cristãos, devemos realmente amar Israel e os judeus. Eles são o povo formado por Deus e escolhido por Ele. Apesar de, pela imensa graça e misericórdia do Senhor, hoje podemos também ser chamados de "escolhidos". 

Israel é o Relógio de Deus na Terra. Não vou poder dissecar o assunto agora.
Procure as profecias. Ore por Israel. Se você ama a Cristo, ame Israel. Os acontecimentos de lá, remetem ao fim dos tempos.

Deus criou a nação de Israel através do patriarca Abraão e dele profetizou: "(...) em ti serão benditas todas as famílias da terra." Gn 12:3. 
Israel sofrerá as consequências de terem abandonado ao Senhor e não terem crido que Jesus é o Messias. No entanto, como Relógio da Vinda do Senhor, devemos ficar atentos ao que está acontecendo lá, amar e orar por aquele povo. Somos fruto deles. Jesus era judeu. Nossos exemplos de fé eram hebreus e judeus.

Ore por Jerusalém, ame Jerusalém, ore pela paz em Jerusalém!

Shalom Yerushalayim!

Música Shalom Jerusalém (Paul Wilbur e Ana Paula Valadão)


terça-feira, 4 de abril de 2017

"13 reasons why": um recado para os pais de adolescentes



Preste atenção ao que seu filho está assistindo. Tem um seriado novo da Netflix, que se chama "13 reasons why".
A princípio, ela parece mais uma série de adolescentes no Ensino Médio, tempo em que os colegas são maus e o bullying é algo bem constante. 
O seriado é sobre uma menina que comete suicídio e deixa várias fitas cassete que explicam as razões pelas quais ela decidiu se matar. As razões são vários colegas da escola, que praticam assédio e cometem bullying contra ela, consciente ou inconscientemente (apesar de que ninguém é cruel com outro alguém de forma inconsciente). Na série, os pais estão processando o colégio por ter sido negligente com a filha.
O assunto bullying está em voga nos últimos anos e deve sim, ser discutido. Mas, nesse caso, o assunto central é o suicídio da menina.
A série retrata temas importantes e isso é inegável, mas será que os adolescentes estão com a mente preparada para a forma como a série retrata o assunto? Talvez sirva de gatilho para as emoções em ebulição da adolescência.
Grande parte dos adolescentes é dramático por natureza e muito focado no "agora". 
Não digo para não os deixarem assistir, mas para ficarem atentos, tanto à série e o que ela aborda, quanto ao comportamento do seu próprio filho.

terça-feira, 14 de março de 2017

Com Cristo: trazendo a juventude à adoração

Os integrantes da Com Cristo: da esquerda para a direita
Mateus Louback (bateria), Will Bertolozo (baixo), Gabriel Rodrigues (vocal e guitarra), 
Gabriela Neves (vocal), Nilo Fernandes (guitarra) e Lucas Bertolozo (teclado)
Jovens no mundo todo possuem o sonho de montar uma banda. E, dentro das igrejas, existem milhares, talvez milhões, de meninos e meninas presenteados por Deus com dons relacionados à música e que têm esse desejo. Mas o que faz o sonho se transformar em realidade? A “Com Cristo”, banda formada por membros da Juventude Onda, da Igreja Batista Resplandecente Estrela da Manhã (Ibrem), em Juiz de Fora, Minas Gerais, é um exemplo de sonho que se fez real.
Em julho de 2015 a Com Cristo lançou seu primeiro EP (gravado em estúdio), totalmente composto por músicas autorais. Cerca de 2 mil pessoas compareceram ao lançamento do disco, que aconteceu na tenda da Ibrem. Convites de diversas igrejas em Juiz de Fora e outras cidades do Brasil têm levado os jovens a espalharem a mensagem do Evangelho. O estilo alegre e espontâneo de adorar é o diferencial da banda.

Como tudo começou...
O desejo de expressar adoração através dos dons dados por Jesus partiu do líder, Gabriel Rodrigues. “Chegou um momento que surgiu em mim e na Gabriela Neves, o anseio de gerar em Deus uma banda que expressasse, através do louvor, a linguagem da nossa juventude”, explica Gabriel.
Mas, o que aconteceu para que tudo desse certo? De acordo com o jovem, junto com a Gabriela, vocalista do ministério, ambos submetiam-se às autoridades da igreja. “Buscávamos andar como a Bíblia relata acerca do profeta Samuel, que servia ao Senhor perante Eli, o sacerdote, respeitando as autoridades que Deus implantou sobre nós”. E, assim, o tempo foi passando.
Certo dia, enquanto aguardavam a esperada oportunidade, surgiu a proposta de começarem a tocar durante os cultos de jovens. Segundo Gabriel, eles ainda não tinham em mente quem seriam os músicos ou qual seria o nome do grupo, mas aquele era o início. “No final do ano de 2008, fomos convocados para montar a banda que tocaria no congresso de Carnaval do ano seguinte. A alegria foi inevitável! Deus se mostrou fiel para cumprir todas as promessas”, ressalta.

A formação da banda...
Mas, esse era somente o primeiro passo. Ainda era preciso pedir a Deus que enviasse as pessoas certas para integrarem o grupo. Os primeiros a aceitarem o desafio foram o Will, baixista e tio do Gabriel e seu filho, Lucas, tecladista. Em seguida, chegaram o Nilo, para compor a guitarra e o Matheus, na bateria.
Essa, que é a formação atual da banda, demorou um tempo até acontecer. Gabriel conta que orava e pedia que Deus enviasse as pessoas certas, porque antes ele mesmo havia tentado criar uma banda, que não deu certo. “Mas o desejo permaneceu em meu coração e passei a clamar por integrantes que fossem da vontade Dele, e assim aconteceu. Hoje, estamos juntos em um mesmo propósito: servir a Deus em nossa Igreja local e na Juventude Onda. O resto é consequência da vontade de Deus”, conclui.

O nome da banda...
O nome “Com Cristo” foi escolhido pelo próprio Gabriel e ele busca sempre lembrar aos integrantes da banda a responsabilidade que esse nome traz na vida de cada um. “Se não estivermos conectados com Ele não haverá unidade no ministério, ou melhor, o ministério nem existiria, porque, se Jesus é Deus e Deus é amor, sem Ele nada faz sentido”, ressalta o vocalista.

A primeira música autoral e a gravação do EP...
“Santo Espírito” a música que, inicialmente, parecia ser muito simples, quando ministrada pela primeira vez em um culto da juventude da Ibrem promoveu uma manifestação sobrenatural. A música é de autoria da Nathália Carneiro, irmã mais nova da Gabriela.
Gabriel ressalta que a banda já recebeu diversos testemunhos relacionados aos momentos em que essa música era ministrada e isso acabou despertando para que pudessem compor mais canções. 
A gravação do EP não era algo esperado e foi incentivo do pastor Paulo Jabur. Segundo o líder da Com Cristo, Deus enviou profissionais capacitados, equipamentos de qualidade e recursos através de pessoas que investiram financeiramente.
“O apoio dos nossos pastores e igreja e a expectativa de pessoas que nem sequer conhecíamos nos cativou e nos confortava ainda mais no caminho para a conclusão desse projeto”, afirma Gabriel.

Confira aqui o vídeo da música DIGNO É O CORDEIRO. O vídeo mais acessado da banda.  

Os desafios como jovens cristãos...

Gabriel entende que um dos maiores desafios dos jovens nas igrejas é a imaturidade, que só pode ser vencida através da submissão às autoridades que Deus instituiu. “Quando isso não acontece, eles se frustram, pois estão se esforçando e não conseguem ver frutos. Temos que seguir o exemplo de jovens citados na Bíblia, como Samuel, que servia ao Senhor perante Eli. Além de outros, como Daniel, Davi, José e Timóteo”, conclui.



De Juiz de Fora para o Brasil e o mundo! 
A banda Com Cristo, que nasceu na Juventude da Igreja Batista Resplandecente Estrela da Manhã (Ibrem) vai gravar seu primeiro CD ao vivo. 
O evento acontecerá no dia 15 de abril no templo da Ibrem às 19h30. 

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

"La La Land" e o preço do sucesso (Carta Capital)

Copio aqui um artigo da revista "Carta Capital", que fala bastante das minhas percepções sobre este filme. Além da produção ser linda, a temática é realmente diferenciada e vai além do "Felizes para sempre".

O musical tem como tema a busca de jovens artistas pela realização profissional. 

A espetacular cena de abertura de La La Land, um plano aberto quase sem cortes, tem a força de demover até o mais cáustico dos críticos de musicais. Dezenas de motoristas saem de seus carros para dançar, rodopiar e saltar entre e sobre os veículos, presos em meio ao trânsito caótico no viaduto de acesso à cidade de Los Angeles.
Tudo é perfeitamente sincronizado e grandioso em uma película filmada em cinemascope, como nos antigos musicais de Hollywood.
É um convite certeiro para mergulhar na história romântica de Mia (Emma Stone), uma aspirante a atriz, e Sebastian (Ryan Gosling), um pianista de jazz em busca da fama. Os dois, como milhões de jovens no mundo todo, também estão presos no trânsito e em vidas que ainda não decolaram.
Terceiro filme de Damien Chazelle (que escreveu e dirigiu Whiplash – Em busca da perfeição), La La Land – Cantando estações recebeu inéditos sete Globos de Ouro, vem abocanhando outros cobiçados prêmios e lidera a bolsa de apostas para ser o grande vencedor do Oscar.
Não é difícil analisar sob essa ótica: trata-se de um filme que rende generosas homenagens ao cinema e à música, em que nem os clichês desagradam, revela com certa criticidade a difícil trajetória para o estrelato e preenche a grande tela com memoráveis números musicais, como a dança de Mia e Sebastian levitando dentro um planetário. Só não espere sair do cinema com reflexões nas alturas.
Sem ser excessivos, os números musicais (com trilha sonora assinada por Justin Hurwitz) constroem uma narrativa que opta por ser mais singela e menos aprofundada sobre quem são Mia e Sebastian.
Passagens que poderiam ser mais bem exploradas, como a da peça que ela escreve e em que atua ou a da submissão dele às regras de uma banda de jazz moderno (capitaneada pelo cantor John Legend) para o qual é convidado, apenas tangenciam o drama contido nelas. Os personagens aceitam os destinos que lhes são impostos em nome do sucesso. Mas isso não reduz a mensagem que Chazelle quis transmitir.
Os musicais dos anos 1940 e 1950, embora os personagens pudessem conquistar tudo o que desejavam, traduziam uma época em que valores pessoais, como amor e sentimento, tinham mais relevância do que uma carreira. La La Land mostra que, nos dias de hoje, a ambição profissional fala mais alto e que a felicidade pode encontrar-se na realização do indivíduo.
Fonte: http://www.cartacapital.com.br/revista/936/la-la-land-e-o-preco-do-sucesso